Imagens de Introdução


Existe a necessidade de realismo na Europa do Norte, oposto ao realismo idealizado do Sul






Paolo Uccello, Batalha de S.Romano, 1438-40. Quando as batalhas eram mais torneios do que carnificinas.



Piero della Francesca, Retratos de Federico de Montefeltro e Batista Sforza, 1465. Revela a palidez egípcia, o que não admira porque a senhora já tinha morrido.


Jan van Eyck, Casal de Arnolfini, 1434. Tipicamente repleto de sinais.


Filippo Lippi, Madona e a criança com dois anjos. Registo individual com uma dimensão do quotidiano através da humanização crescente, demonstrada aqui na relação de amor.


Hans Memling, Virgem e menino em pé, 1490. Não existe correspondência de olhares ou sentimento, pois as figuras são usadas como símbolos.


Piero di Cosimo, Retrato de Simonetta Vespucci, 1480. Repleto de misticismo quer nas formas das nuvens ou na cobra enrolada no fio de ouro. O cabelo revela influência do detalhismo flamengo.


Albrecht Dürer, Retrato da Mãe do artista, 1514. Revela a necessidade de realismo da Europa do Norte, oposto ao realismo idealizado do Sul.


Sandro Botticelli, A Primavera (detalhe), 1478. A mitologia é recuperada ao mundo.


Quentin Matsys, A Duquesa Feia, 1513. A caricatura é uma forma de ver a realidade totalmente diferente, mas foi um caminho pouco explorado.


Niccolò delli'Arca, Lamentação sobre Cristo Morto, 1463-90. O arrebatamento era um dos requisitos medievais, em oposição à serenidade presente na versão de Michelangelo.


Donatello, David, 1440?. 


Leonardo da VinciHomem vitruviano, 1487. 


Albrecht Dürer, Melancolia, 1514. O universo era dividido em 4 unidades, e por tal ordem de raciocínio o homem tinha 4 tipos de humoresMelancolia seria passivo com uma perplexidade perante o real que o impede de agir; Flemático é o indivíduo calmo; Colérico é o indivíduo bélico; Sanguínio seria nervoso e prestativo;


Raphael, A Escola de Atenas, 1510. Demonstra a serenidade clássica.


Albrecht Altdorfer, A Batalhe de Alexandre, 1529. Reflexão acerca da visão do cosmos em perplexidade do mundo bélico. 


Ticiano, Amor Sagrado e Amor Profano, 1514. O amor sagrado é uma representação ideal, pelo que é utilizada a nudez, enquanto que o anjo mistura as águas dando a bênção matrimonial.


Ticiano, Retrato de Frederico II Gonzaga, Duque de Mantua, 1514.