Análise: Karawane, poema sonoro dada

Hugo Ball, Karawane, com o fato de Marcel Janco, 1916.




É precisamente em 1916 que nasce o Dada. E o lugar fundador é em Zurique, na Suiça. Surge, portanto, no meio da 1º Guerra Mundial, no país neutro rodeado de guerra por todos os lados. Poder-se-ia dizer que é já a ironia dada predisposta. É um pouco o sarcasmo perante esta espécie de colapso civilizacional que a guerra também intensifica.

"DADA NÃO SIGNIFICA NADA"

É o manifesto escrito por Tzara. Uma fonte destruidora, tal como muitas das vanguardas são de certo modo. É o manifesto sem projeto, manifesto de nada querer manifestar; manifesto que fura ação.

"sou contra a ação, pela contradição contínua, também sou pela afirmação, não sou nem a favor nem contra e não explico, porque odeio o bom senso"


Com a vinda da guerra há uma espécie de rodopio deste nome a outros lugares. E vamos ter sobretudo a importância e a força de Berlim. Em Hanôver, está tudo ligado a Schwitters, um dadá com sucesso. Ele detestava isso, porque concebia quase como uma contradição ao espírito dadá. Em Paris desenvolve-se também, no fundo é uma ponte com Nova Iorque, em que as grandes figuras para este tempo são Marcel Duchamp, Picabia e Man Ray. Apesar que, como dirá mais tarde, Duchamp era um pouco oscilante neste mundo, nunca sendo precisamente dadá.